Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casepaga

casepaga

16.02.16

A PINTURA DE ALFRED ÉMILE LÉOPOLD STEVENS


antonio garrochinho



 Alfred Émile Léopold Stevens (11 de maio de 1823 - 24 de agosto de 1906) foi um pintor belga conhecido pelas suas pinturas de mulheres elegantes e modernas.
Alfred Stevens nasceu em Bruxelas . Ele veio de uma família envolvida com as artes visuais: seu irmão mais velho Joseph (1816-1892) e seu filho Léopold (1866-1935) eram pintores, enquanto outro irmão Arthur (1825-1899) era um negociante de arte e crítico. Seu pai, que lutou nas guerras napoleônicas no exército deWilliam I dos Países Baixos , era um colecionador de arte que possuía várias aguarelas de Eugène Delacroix , entre outros artistas. Os pais de sua mãe frequentavam o Café de l'Amitié, em Bruxelas, um lugar de encontro de políticos, escritores e artistas. 









































11.02.16

AVISO


antonio garrochinho

ATENÇÃO A TODOS OS AMIGOS, AMIGAS E CAMARADAS !

DERIVADO A UM ERRO QUE SUPONHO SER DO HTML, ESTE BLOG NÃO ESTÁ DE MOMENTO OPERACIONAL.

PEÇO DESCULPA A TODOS OS AMIGO(A)S E SEGUIDORES, O BLOG TEMPORÁRIAMENTE ENCONTRA-SE AQUI :

desenvolturasedesactos - Sapo

desenvolturasedesacatos.blogs.sapo.pt/

10.02.16

Vale a pena ir a Espanha meter gasolina?


antonio garrochinho




   
Ir ao país vizinho é vantajoso se a viagem de ida e volta for até 62 km para a gasolina e 37 km para o gasóleo. Receita fiscal sobre o setor pode chegar a 3,9 mil milhões

Os combustíveis estão mais baratos em Espanha. Mas será que compensa ir lá atestar o depósito? Sim, mas só só se estiver até 18,6 quilómetros do posto espanhol mais próximo (37,2 km ida e volta) no caso do gasóleo ou a 31 km (62 km com ida e volta) se for abastecer o veículo com gasolina. Este cenário parte do princípio de que a viagem é feita em autoestrada (custo de 0,09 euros por quilómetro).

Os últimos dados da Comissão Europeia sobre preços médios semanais dão conta de que em Espanha o gasóleo está a custar 0,918 euros por litro e a gasolina 1,104 euros. Tendo em conta os preços médios em Portugal, ir a Espanha para atestar um depósito de 60 litros significa uma poupança de 5,40 euros no gasóleo e de 11,04 euros se o carro utilizar gasolina.

No entanto, a própria deslocação implica um gasto em combustível e, no caso das autoestradas, em portagens. Esse custo equivale a 14,5 cêntimos por quilómetro para o gasóleo e 17,8 cêntimos para a gasolina. Se o percurso escolhido para chegar ao país vizinho evitar as portagens, então a chamada "fronteira fiscal" - o limite a partir do qual não compensa percorrer a distância - alarga-se para 49,02 km (98,04 com ida e volta) no caso do diesel e 62,50 km (125 km no total) se o objetivo for abastecer com gasolina.

O anunciado aumento dos combustíveis em 7,5 cêntimos por litro a partir da entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2016 (1 de abril é data prevista) - resultado do agravamento do imposto sobre produtos petrolíferos (ISP) em seis cêntimos mais o IVA a 23% - vai fazer que os condutores portugueses olhem cada vez mais para o país vizinho como alternativa.

O problema foi reconhecido na segunda-feira por Carlos Gomes da Silva, CEO da Galp, ao dizer que se a petrolífera não puder abastecer os clientes em Portugal, então vai fazê-lo em Espanha. A Galp quis ontem retificar o contexto dessas afirmações. "As declarações prestadas pelo seu presidente executivo sobre esse tema surgiram em resposta a uma questão sobre as consequências de um provável desvio de clientes para Espanha em resultado do agravamento do ISP. Após esclarecer que 80% do consumo ocorre no litoral, na faixa entre Viana do Castelo e Setúbal, o presidente da Galp declarou que, quanto às empresas de transportes que operam de modo transfronteiriço, a petrolífera procuraria continuar a abastecê-los do outro lado da fronteira."

O agravamento fiscal dos combustíveis em Portugal poderá acentuar-se ainda mais se a cotação do petróleo disparar, pese embora o governo tenha prometido um tratamento diferenciado para as empresas de transportes caso esse cenário se venha a tornar realidade. "Saliento nessa matéria a questão do aumento do ISP que não vai ter uma repercussão naquilo que são contas das empresas porque o governo tem um pedido de autorização legislativa [no Orçamento do Estado para 2016] que permitirá neutralizar esse impacto através da majoração do reflexo nas contas dessas empresas, em termos do abatimento deste custo adicional decorrente do aumento do ISP", afirmou, ontem, Mário Centeno, ministro das Finanças.

Embora o aumento do ISP em conjunto com o IVA aponte para um agravamento de 7,4 a 7,5 cêntimos por litro nos dois combustíveis refinados, a verdade é que o consumidor estará a pagar mais quase oito cêntimos por litro se contabilizarmos a taxa de carbono de 0,004 euros introduzida no arranque do ano.

O governo prevê arrecadar 3,4 mil milhões de euros em ISP ao longo deste ano, mas a fatura fiscal por via do consumo de combustível poderá chegar facilmente a 3,9 mil milhões de euros, tendo em conta a aplicação da taxa de carbono e o IVA sobre o próprio ISP. No ano passado, o IVA que incidia sobre o ISP chegou aos 498,4 milhões de euros, mas neste ano atingirá em princípio os 568 milhões de euros.

Contas feitas, após a entrada em vigor do Orçamento do Estado, o consumidor português estará a pagar 56,8 cêntimos por litro no caso do gasóleo só em impostos. Seria o preço final se o produto fosse oferecido e se as bombas se limitassem a cobrar impostos. No caso da gasolina, os impostos chegarão aos 83,4 cêntimos por litro.

O efeito do agravamento da carga fiscal que incide nos combustíveis sobre toda a economia ainda está por contabilizar. "Trata-se de uma decisão incorporada no Orçamento do Estado para 2016, é uma medida que tem impacto na indústria e sobre a qual não temos qualquer poder de influência", disse Gomes da Silva, no dia da apresentação dos resultados da Galp.

06.02.16

UMAS NO CRAVO OUTRAS NA FERRADURA


antonio garrochinho


  
 Jumento do dia
    
Pedro Passos Coelho, suposto líder da oposição

Onde anda o suposto líder da oposição? Em vez de dara cara como líder da oposição Passos Coelho parece preferir o papel de primeiro-ministro no exílio e um dia destes ainda será convidado por D. Duarte para um gabinete na Fundação da Casa de Bragança, que até aqui tem sido presidida por aquele que o líder do PSD chamou cata-vento. Portugal não tem oposição,m tem um maluco que anda com a bandeirinha na lapela a queixar-se de que lhe roubaram a residência oficial de São Bento.
 Não incomodem a senhora Merkel sff


Durante quatro anos a direita portuguesa tentou promover a senhora Merkel a madrinha e a bruxa má da oposição, todas as semanas alguém ia a Berlim dar graxa ao ministro das Finanças local e até se adoptaram algumas medidas só para exibir em Berlim, como foi a eliminação dos feriados.

Este comentário de António Costa repõe a normalidade nas relações luso-alemãs, não chateiem mais a senhora sff.

 Parolice tuga


Os nossos parolos exultam porque a senhora Merkel fez aquilo que um governante faz nas relações internacionais, sem ofender o seu visitantes elogiou u antecessor com o qual colaborou durante quatro anos. Transformar isto num elogio ao líder da oposição com cheio a raspanete não passa de parolice tuga. Estarão esquecidos do convite da mesma Senhora Merkel a Sócrates para a visitar em Berlim? Aliás, quando Sócrates saiu do governo a senhora Merkel foi clara e disse "estar grata a Sócrates" pelas suas posições no domínio das finanças, apesar de a oposição ter chumbado as suas propostas.



      
 Só cá faltavam estes
   
«A Associação Portuguesa das Famílias Numerosas (APFN) defende que a substituição, em sede de IRS, do anterior quociente familiar por deduções fixas de €550 euros por cada filho e de €525 por ascendentes vai representar "um aumento real do imposto" para as famílias que tenham "rendimentos médios mensais superiores a €690".

"É completamente errada a ideia que tem sido transmitida de que cada família receberá 550€ por cada filho e 525€ por cada ascendente a cargo. Esse valor é, antes, utilizado para o cálculo das deduções no IRS, como uma despesa de educação ou saúde, do que resulta um aumento real dos impostos para a esmagadora maioria das famílias portuguesas com filhos", refere o comunicado da APFN, antes de apresentar casos concretos dessa sua perspectiva.

"Numa família com salários médios mensais de 800€ líquidos, haverá aumento real de imposto de 70€ por ano no caso de haver um filho, de 130€ com dois filhos e de 200€ com três filhos", exemplifica. "A utilização do quociente familiar, que esteve em vigor no último ano, embora carecesse de melhorias, assegurava um tratamento mais justo das famílias com filhos no cálculo do IRS", defende a associação, considerando "inaceitável" que "cada filho seja equiparado a uma despesa de saúde ou educação, e que tenha um valor fiscal semelhante a um aparelho dos dentes".» [Expresso]
   
Parecer:

Este associação de progenitores descontrolados tem sido um importante cajado da direita e ainda não reparou que já não manda na política fiscal para as famílias.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 Acabou a bandalhice
   
«O documento, hoje entregue na Assembleia da República, refere que "ficam suspensas, durante o ano de 2016, as passagens às situações de reserva, pré-aposentação ou disponibilidade, nos termos estatutariamente previstos, da GNR, de pessoal com funções policiais da PSP, do SEF, da PJ, da Polícia Marítima e de outro pessoal militarizado e de pessoal do corpo da Guarda Prisional".

A proposta do Orçamento do Estado para 2016 adianta que as "situações de saúde devidamente atestadas" são uma exceção para a passagem à reserva ou pré-aposentação.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Muita gente jovem tem passado à reserva para criar vagas de promoção e são os contribuintes que pagam.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprove-se.»

 O único banco que deu lucro!
   
«A carta, com a data de hoje e assinada pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, especifica as medidas adotadas na negociação relativa ao esboço de orçamento.

"Uma melhoria nos dividendos do banco central, anteriormente estimados em 200 milhões de euros e agora estimados em 240 milhões de euros", lê-se na carta.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Grande ti Costa, o país pode ir à falência com as resoluções mas o BdP sempre dá uns trocos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»



jumento.blogspot.pt

05.02.16

Com factura, se faz favor


antonio garrochinho



Com factura, se faz favor



Ricardo Araújo Pereira na Visão de hoje:

«Os Medici, uma família do século XV, tinham um banco e faziam mecenato. Os portugueses, um povo do século XXI, fazem mecenato a bancos. (…) Os Medici patrocinavam artistas com o seu banco; os portugueses são artistas a patrocinar bancos. (…)
Gostaria ainda que, sempre que ajudo a resgatar um banco, me passassem factura.»

E RAP sugere à Santa Casa um novo jogo, o Totobanco: qual o próximo a falir?

Na íntegra AQUI



entreostextosdamemoria.blogspot.pt

05.02.16

DESEJOS E PROFECIAS CONTRA O PCP


antonio garrochinho


Carta à Directora” de o Público 04-02-2016
Desejos e profecias contra o PCP
Alguns politólogos de retórica emplumada vaticinam há décadas o passamento do PCP. Basta um insucesso, um recuo eleitoral, ou uma frase do secretário-geral menos feliz, para que se desate a magia verbal incandescente que converte em cinzas a fortaleza que perdura há quase um século da nossa História. 

Os ataques vêm quase sempre da direita, liberal ou extremada, que se esqueceu do nosso meio século XX de ditadura fascista, mas cuja descendência ficou muito traumatizada com o 25 de Abril, o PREC e a Constituição da República. 

E, é claro, a força do PC, ora demonizada como poder oculto por detrás do novo Governo PS, ora minimizada e reduzido à insignificância de quase duas centenas de milhares de votos do candidato Edgar Silva. 

Confundem-se desejos com realidades, para apoucar o inimigo. 

A verdade é bem diferente, o barómetro eleitoral oscila em todos os quadrantes, CDS, PSD, PS, Bloco de Esquerda e PCP. São permeabilidades e flutuações dos eleitorados. Os juízos que passam nos media terão de fazer prova na próxima ronda.


José Manuel Jara, Lisboa

Via: as palavras são armas http://ift.tt/1L1itl3