Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casepaga

casepaga

31.05.18

América monstruosa*


antonio garrochinho

América monstruosa*













Os EUA arrogam-se, em nome dos direitos humanos, o direito de derrubar governos e destruir países. É o “excepcionalismo EUA”. Mas até organizações norte-americanas que escrutinam as suas práticas internas denunciam não apenas as violações de tais direitos, mas o facto de, em vários casos, tais violações configurarem verdadeiros crimes contra a humanidade.



O governo dos EUA é responsável pela sistemática violação dos direitos humanos das crianças presas nos centros de detenção dos Serviços Aduaneiros e de Protecção Fronteiriça (CBP, na sigla inglesa). A conclusão é da centenária ACLU, União Americana pelas Liberdades Civis, e consta de um relatório divulgado na semana passada, baseado em mais de 30 mil documentos internos dos CBP relativos ao período entre 2009 e 2014.

Separadas das famílias, as crianças capturadas a cruzar ilegalmente a fronteira com o México são enviadas para estes nebulosos «centros de detenção», pequenos Abu Ghraib onde não entram advogados, nem jornalistas, e presas dentro de «jaulas» (é esta a expressão que consta no relatório) sem cama nem latrina. 

Depois, os funcionários deitam fora «os pertences pessoais dos imigrantes, incluindo os seus documentos». E então começa a tortura.
«Os funcionários dos CBP recorrem frequentemente à violência contra as crianças», começa por avisar o relatório, mas à medida que se percorre as páginas e se somam às centenas os casos, torna-se difícil conceber que o alvo de uma violência tão monstruosa são adolescentes, crianças e bebés: um funcionário «atirou um jovem de 16 anos ao chão e esmagou-lhe a cabeça com a bota», pode ler-se; outro agente «atropelou uma criança de seis anos durante a detenção partindo-lhe uma perna (…) e recusou-lhe cuidados médicos»; o relatório prossegue «frequentemente, os funcionários disparam as armas de electrochoques contra as crianças, só por diversão».

E depois há os abusos sexuais: «obrigaram uma rapariga de 16 anos a despir-se, abriram-lhe as pernas e tocaram-lhe nas partes íntimas enquanto ela gritava». Outra queixosa, de 15 anos, denunciou que ameaçaram violá-la caso ela se recusasse a assinar um papel de «auto-deportação». No mesmo registo, um menino de 14 anos foi mantido durante uma semana nu na jaula, enquanto o ameaçavam com abusos sexuais, de forma a pressioná-lo a assinar o mesmo documento.

As condições, essas, são sempre infra e desumanas: há «fluídos humanos nas paredes e no chão, onde também se vê papel higiénico usado com fezes (…) o que causa um odor ofensivo»; há relatos de fome e crianças a quem é recusada água; há jovens grávidas a quem é dito que «vêm para aqui contaminar o nosso país» e mães adolescentes que se queixam a guardas indiferentes «de não terem leite para dar aos bebés, que choram de fome»; há crianças mais velhas, a quem é dado «sistematicamente leite estragado, o que causa várias intoxicações alimentares» e há o relato de «um funcionário [que] negou-lhe [a uma menina] analgésicos e pensos higiénicos após uma operação a um quisto nos ovários».

Estes crimes contra a humanidade, porque é isso que são, aconteceram durante o mandato de Obama. Sabe-se que com Trump a situação se agravou: os CBP têm hoje mais opacidade, mais armas de guerra, mais orçamento e mais crianças presas nos seus centros. Lembremo-nos disto da próxima vez que «Estados Unidos» e «direitos humanos» surgirem na mesma frase.


*Este artigo foi publicado no “Avante!” nº 2322, 30.05.2018



www.odiario.info

31.05.18

chega de insultos


antonio garrochinho

AO SER FAVORÁVEL NA DESPENALIZAÇÃO DA MORTE ASSISTIDA SAÚDO AQUI OS AMIGO(A)S E CAMARADAS QUE TENDO A MINHA POSIÇÃO OU NÃO, O FIZERAM SEM RECORREM AO ANTI COMUNISMO, AOS INSULTOS, À CRIMINALIZAÇÃO DOS QUE TÊM IDEIAS DIFERENTES NESTA TEMÁTICA E NÃO ENCHERAM (ENCHEM) AS PÁGINAS DAS REDES SOCIAIS COM COMPARAÇÕES INDIGNAS, FRIAS E AUSENTES DE SENSIBILIDADE PERANTE OS QUE SOFREM ATROZMENTE E SÃO DONOS DE DECIDIR POR SI.

POSIÇÕES POLÍTICAS. REFERENDOS ATÉ, NÃO SÃO JUSTAS EM MATÉRIA DE LIBERDADES INDIVIDUAIS

FOI, É, PORNOGRÁFICO, O QUE AQUI TENHO LIDO, E TRISTE OBSERVO QUE QUANDO EXISTEM POSIÇÕES DIFERENTES HÁ QUEM SE SOCORRA DA MÁ FÉ E ATÉ DO ÓDIO QUANDO OUTROS CAMARADAS DEFENDEM COM FRONTALIDADE E HONESTIDADE A SUA POSIÇÃO SOBRE A MORTE ASSISTIDA

DISSERAM-SE, DIZ-SE, TUDO E MAIS ALGUMA COISA ! FAZEM-SE COMPARAÇÕES DAS MAIS DISPARATADAS E CHEGAM A TRATAR COMO CRIMINOSOS OS QUE NÃO PARTILHAM DA MESMA OPINIÃO.

QUEM ASSIM PROCEDE, NÃO TEM AUTORIDADE MORAL A MEU VER. PARA SE DEBRUÇAR SOBRE UM ASSUNTO TÃO DRAMÁTICO E DOLOROSO COMO A EUTANÁSIA.
E MAIS NÃO DIGO.

António Garrochinho

31.05.18

A VERDADEIRA HISTÓRIA


antonio garrochinho




Vou contar a todos a verdadeira história de Arkady Babchenko.Babchenko combateu na Chechénia e depois publicou um livro sobre essa vivência. 

Lembro-me que em 2007, em Londres, livre e feliz, ele apresentou o livro e disse que na Rússia ninguém se importava com essas memórias
deguerra.""One Soldier's War in Chechnya",publicado pela Portobello Books (traduzido po Nick Allen). Na Rússia o livro foi recebido com indifirença pelo público. Veio viver para a Ukrania em 2017 dizendo-se em perigo na Rússia. 

Penso que provavelmente a troco de muito dinheiro, os serviços secretos ukranianos encenaram a morte (faz de conta que tinha falecido na ambulância a caminho do hospital) . 

O plano seria acusar o kremlin, dar a Arkady Babchenko uma nova identidade, uma cirurgia plástica, um passaporte e fazê-lo desaparecer do mapa para causar um sério conflito com a Rússia, tal como o UK fez com os Skripal. 
Mas talvez, por exemplo, ao chegar ao bloco operatório onde o/a cirurgião plástico o ia transformar, a enfermeira de serviço o tenha reconhecido por terem sido amantes! a pobre enfermeira começa a gritar:Arkady, meu amor,e eu a julgar-te a caminho da autópsia! 
Aí, o tão bem organizado filme AXN Black, começou a descambar. Arkady gritou_ "Mafenka (é o nome da enfermeira) ainda me amas? 
E a Mafenka aos gritos a chamar as colegas todas_"Arkady, não me deixes"! e os agentes secretos, em torno, enternecidos começaram a murmurar:_Celebremos este novo Romeu e Julieta! Vamos contar ao mundo a verdade construída neste dia de milagres!
Beatriz Lamas Oliveira Art

31.05.18

A CONSTRUÇÃO DA PONTE EM ARCO MAIS LONGA DO MUNDO


antonio garrochinho



Estas imagens são da finalização de parte da estrutura do que é até o momento a ponte em arco mais longa do mundo: 883 metros que cruzam 531 metros sobre o rio Yangtse, na China. Se a estrutura já é por si só espetacular, quando vemos os operários dependurados à estrutura com o tamanho de pequenas formiguinhas impressiona mais ainda. Os trabalhos da ponte deverão ser finalizados em 2019 quando serão instaladas as bases que permitirão que os carros possam circular nas duas pistas em cada sentido.

VÍDEO


Bônus: A escada para o céu, uma passarela erigida durante a construção de outra ponte sobre o mesmo rio, mas próxima de sua desembocadura, que terá 1.700 metros de lado a lado.

VÍDEO
www.mdig.com.br

31.05.18

Uma brecha legal permite aos japoneses caçar centenas de baleias grávidas com a desculpa de «pesquisa científica»


antonio garrochinho




Três baleeiros japoneses partiram para o sul em novembro. Voltaram em março depois de matar 333 baleias, das quais 122 eram fêmeas grávidas e 114 eram filhotes. Caçar baleias é ilegal, mas um resquício da lei permite sua captura com fins científicos. O problema é que estes baleeiros não estão tratando de entender o efeito da mudança climática nos oceanos nem as mudanças de comportamento dos animais ante a poluição acústica. Estão caçando baleias para vender sua carne a mercados e restaurantes.


Uma brecha legal permite aos japoneses caçar centenas de baleias grávidas com a desculpa de «pesquisa científica»
Isto ficou evidenciado nos últimos números da Comissão Baleeira Internacional: só esta temporada -verão de 2017-18 em Austrália-, três embarcações japonesas caçaram 333 baleias Minke em nome da ciência.

Mas, por que há uma cláusula na lei internacional que permite caçar baleias com fins científicos? Alguns pesquisadores acham que a idade das baleias só pode ser obtida estudando a cera de seus ouvidos internos e, portanto, com métodos letais. Outros não estão de acordo e preferem estimar sua idade comparando seu tamanho com o de outras baleias conhecidas.
Uma brecha legal permite aos japoneses caçar centenas de baleias grávidas com a desculpa de «pesquisa científica»
Por isso a organização ecologista Sea Shepherd, que vela pela conservação da fauna marinha, pede a proibição total da caça de baleias.

- "Gostaríamos de recordar ao governo japonês que as baleias do oceano Antártico estão protegidas pelo direito internacional e pela lei australiana", diz seu diretor, Alex Cornelissen, em um comunicado.

VÍDEO


Por sua vez, o Japão segue permitindo que a carne de baleia seja vendida como produto alimentício, o que acaba com a credibilidade de suas afirmações sobre a pesquisa científica e que se configura como o grande calcanhar de Aquiles dos bons costumes japoneses. Ainda que a demanda tenha diminuído nos últimos anos, o consumo de baleia no Japão se popularizou depois da Segunda Guerra Mundial como fonte de proteína animal. Segundo o Sydney Morning Herald, a intenção do país é retomar a caça comercial em 12 anos.

- "A morte de 122 baleias grávidas é uma estatística impactante e uma triste acusação sobre a crueldade da caça as baleias no Japão", concluiu Alexia Wellbelove, da Humane Society International.

www.mdig.com.br

Fonte: SciAl.

31.05.18

UM GRUPO DE DANÇA ESPECTACULAR DO GOT TALENT AMERICANO


antonio garrochinho



Nós já estamos acostumados e mesmo um pouco enjoados com os grupos de dança que aparecem nos programas de talento. Quer dizer... alguns são legais, mas a maioria é composta de uma equipe de jovens com as já manjadas coreografias de dança de rua. Mas o coletivo austríaco Zurcarohelevou o nível do segmento a um que dificilmente poderá ser alcançado novamente. Sério! Os componentes do conjunto foram aplaudidos de pé por todos os jurados e público após a audição, que foi ao ar ontem, 29 de maio.

Tyra Banks, que é a apresentadora do programa, ficou tão maravilhada com a épica apresentação de dança acrobática que pressionou o botão dourado. Isso enviou o grupo para os shows ao vivo e permitirá que eles ignorem as semifinais do programa. Simplesmente espectacular!!!

VÍDEO
www.mdig.com.br

31.05.18

OS HOTÉIS MAIS ESTRANHOS E BIZARROS DO MUNDO


antonio garrochinho



A maior parte dos turistas ou viajantes de negócios só buscam um lugar para passar a noite comodamente. Para eles existem os hotéis convencionais e inclusive nas diversas acomodações opferecidas pelo Airbnb, que podem variar nas acomodações e serviços prestados, com consequente variação no preço de acordo acom a escolha, mas que não diferem muioto no essencial. No entanto, para aqueles que querem viver uma experiência completamente diferente, também há um mercado de hotelaria.

Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 01
Não são muitos, é verdade, mas há em diferentes partes do mundo. São hotéis curiosos, extravagantes, desenhados para surpreender seus hóspedes e fornecer-lhes uma estadia verdadeiramente especial. Aptos apenas para os turistas que pretendem viver experiências únicas e inigualáveis, estes alojamentos são totalmente diferentes dos convencionais. Veja 33 dos mais diferentes do planeta quando se trata de acomodações fora de sua casa, alguns inclusive, já apresentados no MDig.
JumboStay (Estocolmo, Suécia). Localizado no Aeroporto Arlanda, está instalado dentro de um Boeing 747-200 que foi confiscado anos atrás.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 01
Hotel de Vrouwe van Stavoren (Stavoren, Holanda). Os quartos eram originalmente enormes tonéis de vinho.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 02
Quinta Real Zacatecas (Zacatecas, México). Era uma antiga praça de touros, construída no século XIX. Os quartos estão situados em torno da areia.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 03
Crane Hotel Faralda (Amsterdam, Holanda). Consta de três suítes erigidas em uma antiga grua industrial. Destaca-se a jacuzzi nas alturas, que permite relaxar e apreciar uma vista inigualável.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 04
Treehotel (Harads, Suécia). Cada apartamento é uma casa da árvore perdida no bosque. Destaca-se especialmente esta, com forma de OVNI.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 05
The Manta Resort (Ilha Pemba, no arquipélago de Zanzibar, Tanzânia). Cada apartamento é uma pequena ilha flutuante, com quartos subaquáticos.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 06
Le Grotte della Civita (Matera, Basilicata, Itália). Foi criado dentro de uma gruta de pedra caliça que é patrimônio natural da UNESCO.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 07
Hotel Kakslauttanen (Ivalo, Finlândia). Os quartos têm forma de iglu, mas são de vidro, o que permite apreciar as luzes do norte.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 08
The Hobbit Motel (Parque Woodlyn, Nova Zelândia). Como seu nome indica, é inspirado nas casas dos hobbits, personagens centrais do universo criativo de J.R.R. Tolkien.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 09
Happy Nomads Village (Karakol, Quirguistão). Os quartos são inspirados nas barracas tradicionais das tribos nômades.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 10
Palácio de Sal (Potosí, Bolívia). Situado no Salar de Uyuni, é inteiramente feito de sal.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 11
Salga Silvermine (Västmanland, Suécia). Construído em uma velha mina abandonada, os hóspedes podem dormir em quartos construídas a 150 metros de profundidade.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 12
Kokopelli"s Cave Bed & Breakfast (Farmington, em Novo México, Estados Unidos). Foi construído dentro de uma gruta, em uma montanha do Parque nacional Mesa Verde.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 13
V8 Hotel (Stuttgart, Alemanha). Pensado especialmente para entusiastas dos autos, cada apartamento é inspirado em algum veículo icónico.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 14
Sarova Salt Lick Lodge (Taita Hills, Quênia). Imerso no meio do espetacular Santuário de Vida Silvestre de Taita Hills, permite apreciar os animais em seu meio natural.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 15
No Man"s Fort (Portsmouth, Reino Unido). Era um importante forte, construído no século XIX sobre o mar, o que permite aos hóspedes apreciar uma paisagem incrível.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 16
The Dog Bark Park Inn (Idaho, Estados Unidos). O que sobressai deste Bed&Breakfast é que toda a estrutura tem a forma de um cão gigante de raça beagle. O cão é apelidado Doce Willy.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 17
Skylodge Adventure Suites (Cuzco, Peru). Localizado no Vale Sagrado dos Incas, é pequeno, mas dormir em suas cápsulas dependuradas e transparentes gera a sensação de que um está no ar. Para chegar a elas há que escalar 400 metros.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 18
Huettenpalast (Berlim, Alemanha). Funciona dentro de uma velha fábrica de aspiradores, transformada em um curioso hotel no qual há casas móveis que funcionam como quartos.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 19
Silo Stay Hotel (Little River, Nova Zelândia). Os quartos são construídos dentro de silos que eram usados para armazenar grãos.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 20
Windmill Cley (Norfolk, Reino Unido). Era um antigo moinho de vento, construído no século XVIII, que se converteu em hotel na década de 1980.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 21
Hotel Costa Verde (Quepos, Costa Rica). Situado no Parque Nacional Manuel Antonio, destaca por sua suíte de dois quartos construída dentro de um Boeing 727.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 22
Hotel Marques de Riscal (Elciego, Espanha). Além de ser hotel é adega, mas o destaque é sua incrível arquitetura com laços metálicos de cores, obra do arquiteto Frank Gehry.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 23
Icehotel (Jukkasjarvi, em Lappland, Suécia). Feito de gelo é construído a cada ano. ë feito com mil toneladas de gelo do rio Torne e 30 mil toneladas de uma mistura de gelo e neve.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 24
The Santos Express (Mossel Bay, África do Sul). Era um trem, mas virou um hotel que tem inigualáveis vistas do Oceano Índico, e que diz oferecer os melhores mariscos da África.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 25
Martin"s Patershof (Mechelen, Bélgica). Este hotel construído dentro do que era uma antiga igreja franciscana tem quartos enfeitados com seus próprios vitrais.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 26
Balade dês Gnomes (Heyd, Bélgica). Tem uma suíte Cavalo de Troia, ainda que com a forma de um touro. Também tem quartos ambientads no universo dos contos de fadas.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 27
Kumbuk River Resort (Parque Nacional Yala, Sri Lanka). É um eco resort com quartos que têm forma de animal, como esta, que emula um elefante.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 28
Hang Nga Guesthouse (Da Lat, Vietnã). É conhecido como Casa Maluca por sua particular arquitetura, inspirada na obra do catalão Antoni Gaudi.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 29
Dasparkhotel (Ottensheim, Áustria). Consiste em velhos tubos de esgoto convertidos em quartos, que estão distribuídos em um parque público. O hóspede paga o que quiser.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 30
Book and Bed (Tóquio, Japão). É um dos clássicos hotéis cápsula de Japão, mas tem uma enorme biblioteca.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 31
Inntel Hotel Amsterdã Zaandam (Zaandam, Holanda). Tem a particularidade de parecer um conjunto de casas tradicionais holandesas empilhadas uma em cima da outra.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 32
The Beermoth (Terras Altas de Escócia, Reino Unido). Este hotel móvel, montado sobre um velho caminhão de bombeiros, tem capacidade para duas pessoas e a possibilidade de ser levado ao local escolhdido pelos hóspedes.
Os 33 hotéis mais estranhos e bizarros do mundo 33

www.mdig.com.br

31.05.18

A implausível história do kamikaze frustrado que deixou sua estampa impressa em um navio de guerra


antonio garrochinho




Apesar da quantidade incontável de usuários espalhando notícias falsas, espalhando a maldade ou o caos, por trás do primeiro plana da Internet há milhões de pessoas comentando episódios históricos, pesquisando a origem de centenas de fotografias e contribuindo cultura à Rede. Algumas dessas fotos merecem uma maior repercussão, como é o caso do kamikaze frustrado, que, em 26 de julho de 1945, chocou deliberadamente um Mitsubishi Ki-51 do exército imperial japonês contra a linha de flutuação do HMS Sussex.


A implausível história do kamikaze frustrado que deixou sua estampa impressa em um navio de guerra
O cruzador pesado britânico encontrava-se naquele dia no Pacífico, cobrindo as operações nas Índias Orientais Holandesas, mas o que não sabia o piloto suicida japones é que o navio de guerra naval fora projetado para suportar a força do impacto do seu caça que, provavelmente já sem munição, decidiu lançar sua aeronave na parte mais débil do cruzador.
A implausível história do kamikaze frustrado que deixou sua estampa impressa em um navio de guerra
A linha de flutuação do HMS Sussex era reforçada com uma camada de aço de 20 centímetros anti-kamikazes. Ainda assim, mesmo que o Ki-51 tinha uma hélice muito leve e especialmente lenta, se o avião tivesse impactado um metro mais acima o efeito teria sido devastador para o navio e tripulantes.
A implausível história do kamikaze frustrado que deixou sua estampa impressa em um navio de guerra
A foto saiu do arquivo público da Biblioteca do Congresso Americano e passou pela análise de milhares de pessoas na rede, que descobriram -sem necessidade de conhecer mais dados- o tipo de avião que impactou contra o cruzador. Na estampa deixada no casco do navio é possível ver o trem de pouso fixo e a impressão provocada pelo impacto da hélice.
Fonte: Imgur.




www.mdig.com.br

31.05.18

OLHÓ AVANTE ! - O Estado e os direitos fundamentais dos cidadãos


antonio garrochinho




Relação com utentes deve assentar no princípio da proximidade
O Estado e os direitos fundamentais dos cidadãos
FUNÇÃO SOCIAL DO ESTADO Num Estado democrático, a administração e os serviços públicos são fundamentais para os cidadãos acederem aos seus direitos, em particular os que estão expressamente consagrados na Constituição da República Portuguesa.
Neste domínio, a Educação, a Saúde e a Segurança Social são um pilar da função social do Estado alicerçado na existência de serviços públicos de qualidade e proximidade, para que sejam assegurados os direitos essenciais à qualidade de vida e à protecção dos cidadãos.
O sistema público de Segurança Social é uma parte importante desta função social assegurando direitos aos trabalhadores e aos cidadãos em risco e eventualidade de perda de rendimentos, de falta de meios de subsistência ou em circunstâncias específicas que o justifiquem.
A questão da Segurança Social há muito que está no centro do debate e da luta política, porque sendo uma conquista importante dos trabalhadores, que influencia positivamente o seu nível e qualidade de vida, incomoda o grande capital e os especuladores financeiros, ávidos de privatizar este importante direito para lucrarem e especularem a seu belo prazer e se apropriarem de mais uma parte importante da riqueza nacional produzida pelos trabalhadores, reduzindo ainda mais os custos do factor do trabalho nas empresas à custa deste direito fundamental conquistado na revolução do 25 de Abril de 1974.
Enfraquecer, privatizar e destruir os nossos direitos sociais sempre esteve na agenda e na ordem do dia da política de direita praticada pelos sucessivos governos.
Os serviços públicos
Os serviços públicos são essenciais para o acesso dos cidadãos e dos trabalhadores aos seus direitos, para a sua materialização e concretização. Devem responder no momento e com proximidade e qualidade, através de uma informação fácil e rigorosa.
Os recursos humanos, os equipamentos e meios tecnológicos e as condições para o exercício da actividade destes serviços são factores que influenciam e determinam a qualidade dos serviços públicos.
Neste domínio, o que tem sido feito?
Em 2001, foi criado o Instituto de Solidariedade e Segurança Social para coordenar a estratégia do sistema público, em articulação com centros distritais de Solidariedade e Segurança Social que, próximos da população, concretizavam as políticas e a atribuição dos direitos sociais.
As regras, os critérios de gestão e funcionamento vigentes na administração pública e no Estado foram alterados e aligeirados para uma lógica de funcionamento balizada entre o público e o privado, nomeadamente na contratação para a prestação de serviços, no regime de trabalho, nas remunerações e na gestão.
No âmbito dos recursos humanos, o balanço social do Instituto da Segurança Social – ISS, IP do ano de 2016 refere a existência de 7126 trabalhadores em funções neste instituto. Nos últimos dez anos, foram eliminados cerca de 5000 postos de trabalho – 35% do total de trabalhadores. As admissões estão congeladas há cerca de quinze anos. Cerca de 10% do total de trabalhadores, em particular em Lisboa, foram enviados para a mobilidade, aguardando em casa que o futuro lhes bata à porta.
De 2012 a 2015, estas políticas foram intensificadas e conjugadas pela gestão repressiva e autoritária do governo da direita do PSD/ CDS. Mais de 10 % dos trabalhadores foram sujeitos a processos disciplinares, os trabalhadores passaram a receber menos salário e a trabalhar mais horas.
A média de idade dos trabalhadores subiu consideravelmente. No plano da formação profissional, o valor despendido por trabalhador foi significativamente reduzido pelos governos do PS, do PSD e do CDS, passando de 82,15 euros em 2009 para 5,18 euros em 2014. Simplesmente elucidativo!
Hoje, faltam ao sistema público de Segurança Social cerca de 1500 trabalhadores. O actual Governo do PS projecta admitir a curto prazo, de forma faseada, cerca de 300. Uma perspectiva que está longe de corresponder no presente aos estrangulamentos existentes que penalizam seriamente os trabalhadores destes serviços e a eficácia de resposta a quem deles precisa.
Sucessivos governos retiraram direitos e regalias a estes profissionais. Congelaram as admissões de trabalhadores, interromperam ciclos de renovação, bloquearam carreiras e reduziram salários, promovendo aos lugares de chefia e de direcção pessoas desajustadas para as funções. Um quadro que tem fomentado a desmotivação, destruindo a auto-estima e cultura profissional, quebrando a transmissão de conhecimentos entre trabalhadores, que vai demorar anos a recuperar.
Filas acabaram porque acabaram
serviços informativos directos
Para ocultar as deficiências na prestação de serviços afectados e paralisados por estas políticas destruidoras, os governos do PS, do PSD e do CDS recorreram e recorrem à compra de serviços a empresa privadas e a call centers, uma forma de alienar competências dos próprios serviços de Segurança Social e que só eles estão em condições de o prestar com qualidade e rigor na informação, uma forma «diferente» de privatizar os serviços públicos. Ao mesmo tempo permitem o acesso de dados e informação pessoal de utentes a essas empresas privadas, a quem pagaram e pagam milhões de euros por trabalho que muitas vezes teve e tem que ser corrigido por trabalhadores do sistema de Segurança Social, para reduzir as roturas verificadas na prestação de informações, na atribuição de direitos e pagamento de prestações sociais.
A relação dos serviços públicos com os utentes deve assentar no princípio da proximidade, através de uma administração descentralizada que garanta aos cidadãos qualidade, direitos e capacidade de resposta.
A falta de recursos humanos, a deficiente articulação entre os serviços informativos e as secções que trabalham os processos, os meios tecnológicos ultrapassados ou a rotura nos materiais e equipamentos de apoio à actividade profissional provocam atrasos na concretização dos apoios e direitos sociais, criam pressão sobre os trabalhadores e bloqueios nos serviços.
As longas filas de utentes que pela madrugada chegavam aos serviços informativos eram notícias nos telejornais quase todos os dias. Estas filas acabaram porque acabaram os serviços informativos directos. Agora as pessoas recebem uma senha, com um número, esperam em casa pela sua vez, voltam umas semanas mais tarde, ou uns dias depois, para tentarem obter nova senha.
A direita e a política de direita
A política de direita, o grande capital e os especuladores financeiros convergiram num processo de descredibilização da Segurança Social pública para facilitar a sua privatização, conjugando e articulando a desmotivação dos trabalhadores com a degradação do funcionamento dos serviços, a retirada de direitos sociais, a destruição e a privatização do sistema público de Segurança Social. Os danos provocados devem ser reparados imediatamente.
A consolidação financeira do regime previdencial do sistema público de Segurança Social há muito que tem solução. O PCP sempre afirmou que ela passa por reflectir no sistema a riqueza nacional produzida, pelo trabalho com direitos, pela taxação de lucros das grandes empresas, pelo combate à dívida, à evasão, à fraude contributiva, à economia paralela, pela taxação das operações financeiras.
Mas o grande capital aumenta a pressão e reivindica para si mais da riqueza nacional. Querem «reformas fracturantes», propõem um novo sistema de «pensões gelatina» isto é, para o PSD e para o CDS as pensões de reforma deixariam de ser pagas segundo o que cada cidadão pagou para ter esse direito adquirido, e receberia de acordo com o estado da economia nacional, plasmado nas estatísticas.
Estes partidos querem o fim da solidariedade entre gerações, para que cada um fique entregue a si próprio. A degradação e a privatização dos serviços públicos são também outras estratégias políticas que visam a destruição dos direitos sociais dos trabalhadores e da população em geral.
Que fazer?
Hoje, como sempre, o caminho passa por uma nova política, que garanta sem hesitação ou conciliações de classe a atribuição dos direitos sociais, colocando os serviços públicos, nomeadamente as funções sociais do Estado, ao serviço dos trabalhadores e do povo.
É necessário e urgente associar o avanço e reposição dos direitos de Segurança Social, por via de melhores prestações sociais, ao urgente reforço do investimento nos recursos humanos, na modernização do sistema informático, dotando os serviços dos meios de trabalho adequados e indispensáveis para a concretização dos direitos sociais em tempo útil.
É necessário e urgente uma nova política que aproxime a Segurança Social pública dos trabalhadores e utentes, eliminando a sobreposição de serviços e de competências que aumentam a burocracia e os custos de funcionamento e retiram capacidade e qualidade de resposta.
É necessário e urgente combater e penalizar a economia paralela, o trabalho clandestino sem direitos, e o recurso do Estado à contratação de empresas privadas para a prestação de serviços. O actual Governo do PS deve ser o primeiro a dar o exemplo, abrindo concursos públicos para a contratação dos recursos humanos necessários.
É necessário e urgente o aumento das receitas da Segurança Social, diversificando as suas fontes de financiamento, combatendo o trabalho clandestino, a dívida, a fraude e evasão contributiva.
É necessário e urgente garantir que novas formas de acumulação de riqueza, como a robótica na indústria e no comércio, o comércio electrónico, a especulação financeira e imobiliária, contribuam para o orçamento da Segurança Social.
Mais necessário e urgente é que o PS aceite e convirja com as propostas de solução apresentadas pelo PCP, designadamente na Segurança Social, rompa com a política neoliberal e antissocial da direita submissa aos critérios e orientações da União Europeia, das multinacionais e do imperialismo.
É necessário dar mais força ao PCP, porque essa é a chave para a defesa dos serviços públicos e das funções sociais do estado.

www.avante.pt

Pág. 1/58