Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

casepaga

casepaga

30.12.15

A CORJA - BAPTISTA BASTOS


antonio garrochinho


O empreendimento de destruição do Estado Social, levado a cabo por Pedro Passos Coelho e os seus, atrasou o País, civilizacional e económica e culturalmente, pelo menos dez a quinze anos. É um projecto monstruoso, tido como salvação do capitalismo e realizado por um homem desprovido de dimensão intelectual e política, e com muito poucos escrúpulos sociais.
Com o decorrer das semanas vamos tomando conhecimento da dimensão do desastre. Se o caso Banif adquiriu características de uma ocultação tenebrosa, e levou Passos, como medida de precaução pessoal, ao apoio a Costa, a pouca-vergonha chega a ser degradante. Tal como a declaração de fim-de-ano quando, falsamente humilde, disse à puridade que os portugueses e Portugal estavam na primeira linha das suas prioridades.
O escândalo do Hospital de São José veio a seguir e custou a vida, por ausência médica, de um jovem de 29 anos. Depois, foi noticiado que pelo mesmo motivo, falta de operadores neurocirurgiões, já tinham morrido, antes, mais quatro doentes.
O bastonário acusou o Governo da fatalidade, devido "aos cortes cegos e injustificados" aplicados à Saúde. O roldão neoliberal leva tudo em frente: Educação, Segurança, pensionistas e reformados, velhos e novos, estes convidados a abandonar a pátria, numa avançada cruel que deixa os portugueses em atroz miséria.
Torna-se-nos cada vez mais insuportável comportar, resignados e sem cólera, esta corja, apoiada pela Alemanha, sem pudor nem clemência. A alta finança e banqueiros dissolutos têm encontrado, neste sistema decadente, o pábulo para as suas indignidades. Resguardados numa impunidade que lhes proporciona o "sistema", e lhes vai mantendo uma vida de fausto, eles passeiam-se no infortúnio de quem não sabe defender-se.
Escrevo com mágoa e desalento, mas penso que o mundo está a modificar-se, movido pela repulsa e pela revolta. Nessa esperança e nesse sentido que, afinal têm encaminhado a minha vida, aqui vai, meus Dilectos, a convicção de que, em breve, as coisas serão melhores e mais belas.
Bom ano! A corja não vencerá pela natureza imperiosa das razões humanas.