Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casepaga

casepaga

31.12.14

Empresas que cresceram com os nazis e com a escravidão de seus trabalhadores - Contudo, estas não foram as únicas empresas que atuaram conjuntamente com os nazistas, outras empresas mundiais reconhecidas hoje em dia também venderam as suas almas ao di


antonio garrochinho

Empresas que cresceram com os nazis e com a escravidão de seus trabalhadores





Da medo os eficientes que foram os nazistas dirigindo um país inteiro, incluindo sua população e indústria, até os seus desgraçados objetivos. Existem três grandes empresas que é sempre bom citá-las como colaboradoras com os nazistas. Hugo Boss que desenhou os intimidantes uniformes das SS (Assim como as monótonas camisas marrons das SA e as juventudes hitlerianas); Volkswagen que desenhou o fusca a instâncias e com apoio de Hitler no qual os produziram como salsichas usando mão de obra escrava; e a IBM que desenhou os cartões perfurados que serviram para sistematizar a exterminação de pessoas por raça e classe.

Contudo, estas não foram as únicas empresas que atuaram conjuntamente com os nazistas, outras empresas mundiais reconhecidas hoje em dia também venderam as suas almas ao diabo de distintas maneiras, e pode ser que lhe surpreenda alguns dos nomes que irão aparecer em seguida...



Chase Bank

Pensando bem, a contribuição do Chase Bank (agora J.P. Morgan Chase) com os nazistas não é tão surpreendente. Um de seus acionistas mais importantes, J.D. Rockefeller, fundou diretamente os experimentos eugenênicos antes da guerra. Entre 1936 e 1941, Chase e outros bancos estadunidenses ajudaram os alemães com a captação de recursos que chegaram a mais de 20 milhões de dólares, que supõe um importante peso de comissão de 1,2 millhões de dólares, dos quais Chase embolsou uns 500.000 dólares. Isso era muito dinheiro na época. O feito de que os marcos alemães utilizados para financiar operações provém dos judeus que haviam fugido da Alemanha não parece incomodar a Chase, obviamente o seu negócio aumentou depois da noite dos cristais (a noite na qual os judeus da Alemanha e da Áustria nazista foram atacados por grupos em 1938). Chase também congelou as contas dos judeus francesas na França ocupada antes de que os nazistas tivessem que pedir o que foi feito.



Ford

O próprio Henry Ford era um conhecido anti-semita e publicou uma coleção de artigos sob o encantador título The International Jew: The World's Foremost Problem (O judeu internacional: o maior problema do mundo). Inclusive patrocinou seu próprio jornal que utilizava como ferramenta propagandística, culpando os judeus da Primeira Guerra Mundial e, em 1938, recebeu a Grã Cruz da Águia alemã, a medalha nazista de maior nível concedida aos cidadãos estrangeiros.
A operação alemã de Ford produz uma terceira parte dos caminhões militares utilizados pelo exército alemão durante a guerra, realizando muito do trabalho dos prisioneiros.O que resulta ainda mais surpreendente é que Ford forçou o trabalho de mão de obra apenas em 1940, quando o braço americano da companhia ainda tinha pleno controle.



Kodak



Quando se pensa em Kodak, imaginamos fotos familiares e lembranças tiradas em diversas fotos, mas o que  há que ter em conta é a mão de obra escrava que a filial alemã da empresa utilizou durante a Segunda Guerra Mundial. As filiais da Kodak nos países europeus neutros fizeram grandes negócios com os nazistas, proporcionado tanto mercado para seus produtos como valiosa divisa estrangeira. A filial portuguesa inclusive enviou seus benefícios para Haia, que estava ocupada pelos nazistas naquele momento. Ademais, esta empresa não somente fazia câmeras, diversificaram o negócio e produziam gatilhos, detonadores e outros artigos militares para os alemães.



Coca-Cola

Fanta é uma bebida com sabor de laranja que originariamente foi planejada especificamente para os nazistas. É certo, os ingredientes para a cola que dão seu nome a marca eram difíceis de importar, no entanto o diretor de operações alemão da Coca Cola, Max Keith, propôs uma nova bebida que pudesse realizar com os ingredientes disponíveis.

Em 1941, a Fanta estreou no mercado alemão. O próprio Max Keith não era nazista, mas seus esforços para manter viva a atividade da Coca-Cola durante a guerra fizeram que a companhia embolsasse importantes benefícios e que pudesse voltar a distribuir coca cola aos militares americanos que se encontravam na Europa tão rápidos como acabou a guerra.




Allianz

Allianz é a décima segunda maior empresa de serviços financeiros do mundo. Fundada na Alemanha em 1890, não resulta surpreendente que foram a maior asseguradora alemã quando os nazistas chegaram ao poder. Como tal, em seguida se envolveu no regime nazistas. Seu conselheiro delegado, Kurt Schmitt, também era o Ministro da Economia de Hitler, e a companhia assegurou as instalações e pessoal de Auschwitz. Seu diretor geral estava à frente da política que pagou ao estado nazista no lugar dos beneficiários dos judeus afetados pela noite dos cristais. Ademais, a empresa trabalhou estreitamente com o governo nazista para localizar as apólices de seguro dos judeus alemães enviados nos campos de morte e, durante a guerra, assegurou as propriedades das que despejaram a esses mesmos judeus em nome dos nazistas.



Novartis




A Bayer ainda que conhecida por suas origens como uma subdivisão do produtor que fabricou o gás Zyklon B, gás utilizado nas câmaras de gás nazistas, não é a única empresa farmacêutica com esqueletos no armário. As empresas químicas suíças Ciba e Sandoz se fundiram para constituir a Novartis, mais conhecida pelo seu famoso remédio, Ritalin. Em 1933, a filial berlinense da Ciba despediu todo o conselho de administração e o substituiu por um grupo de pessoas arianas mais “aceitáveis”. Entretanto, Sandoz estava ocupada fazendo o mesmo com o seu presidente. As empresas produziram tintas, remédios e produtos químicos para os nazistas durante a guerra. Novartis confessou a sua culpa e tentou corrigir a sua contribuição com o nazismo com as outras companhias enviando15 milhões de dólares a um fundo suíço de compensação as vítimas dos nazistas



Nestlé



Em 2000, a Nestlé enviou mais de 14,5 milhões de dólares para uma instituição para tentar enfrentar as reclamações pela mão de obra escrava que apresentaram os sobreviventes do holocausto e das organizações judias. A empresa admitiu que comprou uma companhia em 1947 que utilizou mão de obra forçada durante a guerra e também declarou que “também é certo ou se pode assumir que algumas empresas do grupo Nestlé com atividade nos países controlados pelo regime nazista tinham trabalhadores escravizados”. A Nestlé contribuiu com o financiamento do partido nazista na Suíça em 1939 e acabou ganhando um contrato muito lucrativo, sendo a fornecedora de todo o chocolate do exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial.





BMW



A BMW admitiu que utilizou até 30.000 trabalhadores forçados durante a guerra. Estes prisioneiros de guerra, trabalhadores escravos e presos dos campos de concentração, produziram os motores para a Luftwaffe e foram obrigados a ajudar o regime defendendo daqueles que estavam tentando salvá-los. A BMW centrada unicamente nos aviões e motocicletas durante a guerra, não tinha outra pretensão que ser a fornecedora da maquinaria de guerra dos nazistas.



General Electric


Em 1946 a General Electric recebeu uma multa por parte do governo estadunidense por suas nefastas atividades durante a guerra. Em colaboração com Krupp, uma empresa produtora alemã, General Electric de forma intencionada e artificial subiu o preço do Carbeto de tungstênio, um material de vital importância para os metais das máquinas necessárias para a guerra. Ainda que só lhe aplicaram uma multa de 36.000 no total, General Electric ganhou entorno de 1,5 milhões de dólares desta fraude só em 1936, dificultando o esforço para ganhar a guerra e aumentando o custo para derrotar os nazistas. GE também comprou ações da Siemens antes que começasse a guerra, transformando em cúmplice do uso da mão de obra escrava para construir as mesmas câmaras de gás onde muitos dos trabalhadores afetados faleceram.



Por que vocês acham que tais empresas são o que é hoje devido a que? o passado dessas empresas é assustador, porém poucos sabem da verdade oculta e monstruosa das mesmas. O nazismo não acabou, a máscara apenas foi trocada, os mesmos vermes nazistas hoje vivem disfarçados na pele de “democratas”. Porém capitalismo e nazismo são a mesma coisa, afinal um foi inspirado no outro. Hoje vemos que grandes empresas continua levando a teoria na prática, vejamos os exemplos claros da Nike, da Zara entre outras grandes marcas que submetem o trabalhador em condições humilhantes, em trabalho escravo para gerar o lucro delas. Onde?  em sua maioria nos países que eles invadiram covardemente no passado, em sua maioria no continente africano e alguns no leste da ásia. Financiar essas empresas é financiar o trabalho escravo que elas levam a cabo até hoje, financiar essas empresas é financiar suas guerras imperialistas, financias essas empresas é financiar o genocídio contra a população mundial!



Fonte: Business Pundit 

mundoalternativo360.blogspot.pt

1 comentário

Comentar post