Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

casepaga

casepaga

31.08.14

ISRAEL ROUBA MAIS 400 HECTARES DE TERRA AOS PALESTIANOS - Israel confisca terras palestinianas na “maior apropriação desde os anos 1980”


antonio garrochinho

Israel confisca terras palestinianas na “maior apropriação desde os anos 1980”

Grupo Peace Now acusa primeiro-ministro israelita de criar obstáculos a uma solução de dois estados.
Pequeno colonato junto ao bloco de Etzion para que poderão servir os terrenos confiscados 
Israel anunciou este domingo a apropriação de cerca de 400 hectares de terras junto de um bloco de colonatos judaicos perto de Belém, na Cisjordânia ocupada. O grupo Peace Now diz que se trata da maior apropriação desde os anos 1980 e que mostra que o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, não está interessado em “novos horizontes diplomáticos” como disse que estaria após a guerra em Gaza.
As terras, detidas por palestinianos, foram declaradas “terreno de Estado, de acordo com as instruções do escalão político”. A Rádio Israel disse que a medida foi uma reposta ao rapto e assassínio de três jovens israelitas na Cisjordânia, numa acção provavelmente levada a cabo pelo movimento islamista palestiniano Hamas.
Os colonatos judaicos são ilegais sob a lei internacional, e foi a continuação da sua construção que levou a que a equipa palestiniana se retirasse das negociações de paz promovidas pelo secretário de Estado norte-americano John Kerry. Os palestinianos dizem que a atitude de Israel equivale a negociar a partilha de uma pizza em que metade está a ser comida por uma parte. Quando chegar a partição, já não haverá pizza suficiente disponível. Os colonatos estão a diminuir o território que os palestinianos querem para o seu Estado, e a dividir a parte Norte da Sul, e ainda estas duas de Jerusalém Oriental.
A apropriação deverá servir para criar o colonato de Gevaot, considerado desde 2000, ligando-o ao bloco de Etzion. Actualmente há dez famílias a viver em pré-fabricados perto do local.
“O Peace Now vê esta declaração como prova de que Netanyahu não aspira a um novo horizonte diplomático mas sim continua a criar obstáculos à visão de dois estados e a promover uma solução de um estado”, comentou a organização em comunicado.
Há cerca de 500 mil colonos a viver na Cisjordânia, onde habitam também 2,4 milhões de palestinianos.