Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

casepaga

casepaga

16.09.17

PCP diz que valor de 600 euros de salário mínimo "não é irrealista"


antonio garrochinho


Durante uma visita à fábrica de confeção de roupa interior Huber Tricot, em Santa Maria da Feira, em que lamentou o facto dos funcionários ganharem apenas "dois euros acima do salário mínimo nacional" e acumularem demasiado serviço em banco de horas, Jerónimo de Sousa opôs-se a que a valorização salarial em estudo pelo Governo tenha como limite os 580 euros.
"É fácil perceber que o ritmo [de aumento salarial] que o Governo pretende não é correspondente com aqueles que são os anseios profundos de centenas de milhares de trabalhadores portugueses que vivem com o SMN, o que dificulta a sua vida e tem uma ligação muito estreita com o seu futuro de pensionista - porque, tendo salários baixos, teremos sempre reformas baixas", explicou o líder dos comunistas.
O aumento do SMN, que é atualmente 557 euros, para 580 euros é, portanto, "insuficiente" para o PCP.
"Não é tão irrealista uma proposta de 600 euros, suportável pela generalidade das empresas", afirmou Jerónimo de Sousa.
Por isso mesmo, acrescentou, "é que baixar a fasquia a esse nível pode não ajudar a esta luta justa".
Para os comunistas, a valorização do SMN constitui-se assim como "uma questão incontornável" da agenda governamental, a par de "outras propostas ao nível da fiscalidade, da legislação laboral e das reformas e pensões".
"É preciso continuar a avançar e não a parar e recuar", realçou o secretário-geral do PCP, reconhecendo que, nessa estratégia, a ajuda do BE terá a devida influência.
"Não estou a ver o Bloco ser contra esta proposta, mas, se baixa a fasquia, o próprio poder negocial fica altamente condicionado", concluiu.


www.noticiasaominuto.com