Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casepaga

casepaga

27.08.18

Salazar e Franco, dois nazi-fascistas da Ibéria que assassinaram centenas - O dia de guerra em Cambedo que a ditadura "escondeu" "Foi horrível, só se ouviam as metralhadoras, era um cenário de guerra"


antonio garrochinho

franco_e_salazar.jpg

 

 
paginaglobal.blogspot.com

 

 

 
 
O dia de guerra em Cambedo que a ditadura "escondeu" 
"Foi horrível, só se ouviam as metralhadoras, era um cenário de guerra"
 
 
A guerra em Cambedo ficou esquecida nas sombras da ditadura portuguesa e só anos depois os habitantes desta aldeia de Chaves conseguiram falar abertamente do dia em que foram atacados pelo Exército e GNR, que procuravam guerrilheiros espanhóis ali refugiados.
Foi no dia 21 de dezembro de 1946 e Manuel Guerra Gomes tinha 11 anos. “Foi um dia horrível, só se ouviam as metralhadoras, era um cenário de guerra”, recordou hoje o octogenário.
 
 
Manuel Guerra Gomes descreve os acontecimentos com precisão. “Eram 05:30 quando a GNR deu os primeiros tiros ao Juan que foi morto, porque ele estava numa casa ali em baixo. Era amigo da família e pernoitava ali de noite e de dia ia a monte”, referiu.
 
 
A aldeia de contrabandistas acolheu pelo menos quatro guerrilheiros antifranquistas. São pelos menos estes os que o idoso se recorda. Uns morreram e outros foram presos, todas as casas da aldeia foram vasculhadas pelos guardas e os militares acabaram por bombardear também várias habitações.
 
 
Nesta aldeia, a cerca de 18 quilómetros de Chaves, ficou instalado o medo e o terror. “Nós não podíamos sair de casa, a GNR foi pela rua acima e disse para ninguém sair de casa”, contou Manuel Guerra Gomes.
Segundo o idoso, os espanhóis “andavam na vida deles e mais nada”.
 
 
“O posto da Guarda Fiscal ficava aqui e eles conviviam com eles. Eles vieram de Espanha fugidos unicamente para fugir à guerra civil, eram perseguidos pelo regime franquista. Vieram para onde tinham amigos e família”, salientou.
 
 
Após o ataque, foram detidos e interrogados muitos habitantes da aldeia.
 
 
“A tia Albertina também foi presa, não se metia na vida de ninguém, a vida dela era ir para a igreja e ensinar a doutrina aos garotos, era o único padre que cá tínhamos. Ainda me ensinou a mim e a outros como eu”, referiu.
 
 
É na casa da dona Albertina que uma equipa de cinco arqueólogos concentra os trabalhos de investigação que estão a decorrer no âmbito do projeto “Cambedo 1946”, que visa estudar a resistência às ditaduras ibéricas (1926-1975) e a solidariedade na fronteira entre Trás-os-Montes e a Galiza.
 
 
Após o fim da guerra civil espanhola, em 1939, grupos de republicamos refugiaram-se na área de montanha para continuarem com a luta armada. Em 1946, já após a II Guerra Mundial, os dois governos ibéricos esforçaram-se por acabar estes grupos de guerrilheiros que se refugiaram na raia.
 
 
O arqueólogo Rui Gomes Coelho explicou que este projeto de arqueologia contemporânea quer dar “visibilidade à comunidade”.
 
 
“Normalmente os projetos que versam sobre a arqueologia contemporânea e mais especificamente conflitos militares e guerrilha, não só em Espanha mas também um pouco por todo o mundo, geralmente estão focados na figura dos guerrilheiros e acabam por os mostrar um pouco como heróis românticos. O que nós queremos fazer aqui é dar um pouco de visibilidade à comunidade que sustentava socialmente a própria guerrilha”, salientou.
 
 
Cambedo é, na sua opinião, um “exemplo de solidariedade e de hospitalidade” que devia ser seguido na “sociedade atual e no que diz respeito à atual crise humanitária global”.
 
 
“Quando estão a dar acolhimento aos guerrilheiros e a assumir todos esses riscos que comportava essa atitude, aquilo que nós temos é uma espécie de ética e solidariedade e hospitalidade”, frisou.
 
 
A vida quotidiana da aldeia foi interrompida após este “episódio traumático” num suposto período de paz e do qual não se falou durante a ditadura.
 
 
Foi já na década de 80 que a antropóloga Paula Godinho, da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito de um trabalho de etnografia da zona de fronteira descobre a história e a revela no espaço público nacional.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.